sábado, 24 de setembro de 2011


todos os dias me pergunto, o porquê de viver, e o que é amar e ser amado. cada um tem a sua forma de viver e cada um vive ao seu modo. e quanto ao amor ninguém sabe defini-lo, ninguém sabe dizer os seus sintomas. pessoalmente, não acredito em borboletas na barriga e muito menos em suores entre as pernas, acredito em corações unidos, num só, apenas por simples mas nunca esquecidas palavras, que foram ditas numa tarde em que dois corpos estavam juntos e duas mãos estariam entrelaçadas. acredito em sorrisos nunca antes feitos e e em palavras conjugadas no plural. acredito em sonhos e em promessas conjuntas de um futuro longicuo mas promecedor. acredito em dois seres que vão se amar enternamente, apesar de não acreditar no 'sempre', acredito em lembranças que nunca serão esquecidas e em perfumes que serão guardados. acredito em palavras sinceras do passado e em lágrimas de saudades de tempos antigos, acredito que é possivel lutar até se alcançar e para além de tudo isto, acredito que existe amor.

2 comentários: