segunda-feira, 22 de outubro de 2012


eram nove horas, estava numa aula de educação fisica, arrastava os pés, e finalmente o meu humor ficara transparente. ninguém me reconhecera naquela manhã. boca fechada, andar pesado, lágrimas no canto do olho e um leve e triste sorriso. sentei-me num pequeno banco, no fundo do pavilhão, suspirava milhares de vezes enquanto continha as lágrimas. o barulho das bolas a baterem no chão ecoava na minha cabeça, as minhas pernas tremiam, pois corria uma leve brisa. concentrei-me na chuva passageira, e com ela vieram todos os problemas à cabeça. as lágrimas vinham com mais força até que uma estranha voz pergunta como estou, limpei as lágrimas, sorri e respondi que estava bem, limpei novamente as lágrimas de saudade, de memórias, fechei os olhos, despedi-me dos meus leves pensamentos e voltei a enfrentar o mundo. levantei-me, sorri, peguei numa bola e fui jogar, e por incrível que parece ninguém reparou no meu modificado ser, ninguém.. à excepção daquela estranha voz.

1 comentário: